Seguinos en
FaceBook
Página Principal arrow Brasil arrow Carimbó é agora patrimônio imaterial brasileiro  
jueves, 19 de octubre de 2017
Institucional
Página Principal
Información Institucional
Enlaces de interés
Servicios
Actualidad cultural
Documentos
Eventos
Culturales
Corredores culturales
Convocatorias
Entre redes
Red Interlocal de ciudades iberoamericanas para la cultura
Unidad temática Cultura de la Red Mercociudades
Red de Centros Culturales de América y Europa
Red Iberformat
Les Rencontres
Redesearte Paz
Herramientas
Buscar
WebMail
Contáctenos
Culture21
Red Latinoamericana de Arte y Transformación social
Carimbó é agora patrimônio imaterial brasileiro PDF Imprimir E-Mail

carimbo.png

O carimbó acaba de se tornar Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil. O registro foi aprovado por unanimidade em Brasília, pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, formado por representantes da União e da sociedade civil. Criado no século XVII por negros africanos do nordeste do Pará e com influências indígena e ibérica, o carimbó é uma das mais tradicionais expressões culturais do estado do Pará e da região amazônica brasileira.

O registro do carimbó foi comemorado em ato público realizado em Belém do Pará, com a presença da ministra da Cultura, Marta Suplicy. "Quando se tem uma expressão cultural deste porte e não há a chancela do Estado, ela tende a desaparecer ao longo dos anos", afirmou a ministra. "Com o reconhecimento do Estado, o carimbó passa a ser perene, é patrimônio brasileiro", observou.

Marta Suplicy – que foi recebida no ato comemorativo por dançarinas e grupos de carimbó – adiantou que o Brasil pretende trabalhar para que o carimbó seja registrado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como patrimônio imaterial mundial. "A chancela nacional é voltada à preservação, e a da Unesco, a uma maior visibilidade internacional, o que é muito importante para a atração de turistas", destacou a ministra.

A presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Jurema Machado, destacou que o Estado é agora um parceiro na manutenção e na vitalidade do carimbó. "A gente já sabe que ele é muito vivo, que a alegria e a riqueza da prática são contagiantes por si só, que o carimbó seria capaz de se manter por mais um século, como vem fazendo até então. Mas a responsabilidade do Estado é com certeza um fator a mais desse nosso compromisso", afirmou. "Esse registro beneficia, sobretudo, o Brasil, que pode se reconhecer, em seu amplo território, em valores culturais que representam a unidade do país", ressaltou.

O pedido de registro do carimbó como patrimônio imaterial do Brasil foi apresentado pela Irmandade de Carimbó de São Benedito, pela Associação Cultural Japiim, pela Associação Cultural Raízes da Terra e pela Associação Cultural Uirapurú. Entre os anos de 2008 e 2013, o Departamento de Patrimônio Imaterial do Iphan e a Superintendência do Iphan no Pará conduziram o processo de registro e realizaram pesquisas para a Identificação do carimbó em diversas localidades do estado.

O resultado final da pesquisa foi consolidado no Dossiê Carimbó, que tem o objetivo de ser uma referência documental do carimbó no Pará. Durante 40 dias, o documento esteve disponível para consulta popular no site do Iphan. As sugestões recebidas, após avaliação, foram integradas ao texto final.

Pau que produz som – Apesar de a manifestação cultural ter se originado entre os escravos, o nome carimbó tem origem indígena. Vem do tupi korimbó (pau que produz som), junção de curi (pau oco) e m'bó (furado, escavado). Os primeiros carimbós – ou curimbós – eram feitos de madeira oca e cobertos, em uma das extremidades, por couro de veado. Com o tempo, carimbó passou a referir-se não apenas aos tambores, mas também à dança associada ao ritmo produzido pela percussão.

Hoje, a expressão carimbó é utilizada majoritariamente como referência à expressão que envolve festa, música e coreografia características e tradicionalmente reproduzidas no nordeste paraense. Os temas das canções, em geral, são alusivos a elementos da fauna e da flora da região, ao dia a dia do trabalho e às práticas cotidianas.

Ministério da Cultura

http://www.cultura.gov.br